Governo deve ter sensibilidade social e vetar uso do dinheiro dos trabalhadores para pagar dívidas da Venezuela e de Moçambique

Postado em 03/maio/2018

É absurda a aprovação, pelo Congresso Nacional, de um “remanejamento” de R$ 1,16 bi no orçamento federal (que sintetiza, na definição, recursos provenientes dos tributos que todos os brasileiros pagam) para cobrir os calotes aplicados pela Venezuela e Moçambique quanto a obras e serviços financiados pelo BNDES.

Este dinheiro, oriundo do conjunto dos trabalhadores brasileiros, será retirado do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), no programa seguro-desemprego. É preciso sensibilidade social por parte do atual ocupante do Palácio do Planalto no sentido de vetar esta matéria perversa.

Lamentável e inadmissível esse posicionamento. Fica muito fácil “fazer cortesia com o chapéu dos outros”, principalmente quando esses “outros” não têm moradias adequadas, saúde de qualidade, educação para seus filhos e convivem diuturnamente com o desemprego de mais de 13,7 milhões de brasileiros, taxas e tributos nas alturas e juros elevados.

É importante ressaltar que o movimento sindical sempre defendeu o aumento das parcelas do seguro-desemprego com a finalidade de suprir as necessidades dos trabalhadores nesse momento difícil, e sempre ouviu do governo a alegação de que não havia verba para que tal medida fosse tomada. E agora, como por um “passe de mágica”, surge este mais de R$ 1,16 bi para suprir um buraco de países que nada tem a ver com a realidade brasileira e com os trabalhadores do País.

Deve-se destacar que tais “empréstimos” foram realizados durante os trezes anos dos governos petistas, que fizeram política social em outros países com o dinheiro que faltava para o trabalhador brasileiro. E agora o atual desgoverno paga a conta com o dinheiro do trabalhador brasileiro.

O nos impõe a “reforma trabalhista” e “reforma previdenciária”????

Não podemos admitir, em hipótese alguma, a utilização deste dinheiro dos trabalhadores a este tipo de finalidade, resultado de políticas nefastas de governos anteriores. E falta de correção do atual.

Lembrem-se trabalhadores, outubro está próximo. Não vendam os seus votos!

FECONESTE

0 Comentários

Os comentários estão fechados.